Pular para o conteúdo principal

Os dias não são iguais.

Enquanto uma delas esteve a mais de oitocentos quilômetros de distância as gatinhas apareceram bagunçando a casa, mexendo com o ânimo de todos nós. Ele disse não com veemência, a outra acolheu e escolheu nomes, o cão se resignou em ter que dividir sua atenção com as intrusas. A cadela curiosa espichou o olho e o faro para dentro de casa esperando a oportunidade de fazer amizade com as visitas. A gata caçula da casa se enfureceu e buscou abrigo no jardim onde batia um solzinho, além de rosnar e eriçar os pelos dispensou seu cantinho predileto, a cama daquela que viajou. A outra gata fez que não se importou, mas enquanto durou a hospedagem evitou qualquer tipo de contato comigo, estava de mal.

Duas semanas se passaram e num sábado a gatinha branca de manchas pretas partiu para seu novo lar. No domingo foi a vez da gatinha cinza ir embora com sua dona definitiva e a tensão entre os bichos se dissolveu! Pronto! Portas e janelas puderam ser abertas sem o cuidado daqueles dias em que gatinhos miúdos e saltitantes são capazes de passar por brechas inimagináveis. Os cães voltaram a atenção para seus ossos e as gatas fizeram como de costume, deitaram perto de nós enquanto assistíamos um filme na TV.

Naquela madrugada ela voltaria de tão longe pra casa e segunda-feira retomaríamos a rotina, aquela que nos trás conforto e uma certa ideia do que vem depois. Pois sim, a vida é  cheia de surpresas pra nos tirar do eixo e é bom ter mais ou menos uma rota pra seguir... Muitas comidas são assim, tem cara de volta pra casa, rotina e conforto. 



Carne assada é um desses pratos. Mas tem que ser planejada com antecedência pra poder temperar no dia anterior uma peça de lagarto plano ou redondo com sal, alho, molho inglês, louro, pimenta do reino e cominho.
Pique bem miúdos alho, cebola, tomate, cenoura e nabo.
Numa panela de pressão refogue a carne em um pouco de óleo e depois que ela estiver selada acrescente todos os legumes picados. NÃO acrescente água. Tampe a panela e quando a pressão começar a chiar marque 35 ou 40 minutos. Um molho delicioso vai se formar e carne estará macia, mas sem desmanchar.

Tentei o arroz de banana para acompanhar, pois basta refogar na manteiga rodelas de banana da terra e colorir o arroz com açafrão. Eu só tinha banana prata e esqueci do açafrão! Tinha ainda um pouco de salsinha, bem pouco mesmo, ainda assim acreditei na mistura e segui adiante com um feijão vermelho, batatas coradas e aquela farofinha safada de cascas de batata. 

Tudo parecia ter entrado nos eixos, mas naquela segunda feira eu comecei a desconfiar que estava ficando biruta, pois o miado dos gatinhos não saía da minha cabeça. Fui até a rua, olhei embaixo dos carros, embaixo dos caminhões e nada... Na terça ouvi de novo. Na quarta um miado sofrido mobilizou a família achando que a gata caçula pudesse estar em apuros, mas ela dormia distraída no solzinho do jardim. Na quinta o miado veio alto, antes das sete da manhã, me acordou e outra gata também ouviu... ou estaríamos enlouquecendo juntas? Troquei de roupa  e dei um tempo pro miado calar. Fui até a rua e não vi nada. Decidi andar mais a frente e ufa, pelo menos eu não estava maluca! Aquele miado existia e no desespero a gata veio correndo como fazem os cachorros. Se enroscou nas minhas pernas e eu gelei já sabendo o que viria a seguir... Sim, ela me seguiu. Não deixei entrar. Peguei ração e água, na esperança dela ter ido embora, mas quando voltei ela estava lá, paradinha me esperando. Comeu e bebeu água, mas fez carinho, pedia carinho mais que tudo. Miúda como as outras, provavelmente da mesma ninhada, por onde teria andado nessas duas últimas semanas, pele e osso, tanta carência. Acho que abilolei de vez, pois que outro jeito, senão bagunçar a rotina todinha de novo?!



Comentários

  1. Dando voz ao inconsciente, sentimos que é hora da racionalidade dar lugar aos sentimentos. Isso nos revela de imediato o gosto do amor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quase sem palavras.

Semana pesada no Rio de Janeiro dos infernos... Mas, a gente vai se equilibrando e tentando seguir em frente. Pra refrescar e distrair fiz um monte de sacolés!

O sacolé de ameixa só agradou aos adultos, minha filha mais nova sugeriu que eu acrescentasse leite condensado, mas achei uma receita por aqui, que leva doce de leite. Achei exagerado, mas...
 Esse de manga é fácil de fazer e bom pra caramba!

Não sei qual é meu predileto, mas esse de morango ficou bom demais! Sem dó, nem piedade usei uma caixa de morango, o suco de uma laranja, uma colher de sopa de mel e um pouco d'água. Se quiser, pode acrescentar um pouquinho de açúcar, porque o mel dá sabor, mas não adoça muito.


Estou em dúvida... porque esse de maracujá com manga é tão suave, perfumado, cremoso, que... Ai, que dúvida!!! Este sacolé copiei da minha ex vizinha Viviane Codeço! Disparado, a melhor vizinha de porta de todos os tempos!!! Mas, isso é outro assunto...  Só não esqueça de coar o suco de maracujá antes de acresce…

Mudança de hábito

Eu não quero comer pelo de rato. Eu não quero mais acidulante, corante, flavorizante e todo e qualquer avanço químico que me deixe cada vez mais distante do sabor real dos alimentos, que me deixe doente. É difícil. Mais difícil ainda quando não se pretende, nem se pode mudar assim de solavanco, tão depressa. Eu não sou orgânica, integral nem glúten free.

Deixa eu continuar encantada com o papel laminado e colorido dos cubos mágicos, deixa eu acreditar que existe mesmo muito amor dentro daqueles sachezinhos... me deixa comer um cachorro quente numa sexta à noite sem ficar matutando o que tem naquela salsicha. Deixa eu ceder aos apelos das meninas e comprar cupnuddles, aquele miojo que vem dentro de um copo e tem gosto de ração. Deixa eu tomar uma coca-cola gelada ou tomar uma cerveja bem vagabunda feita de milho. Deixa eu me envenenar quando quiser, que eu tenho feito cada vez menos tudo isso e não vou olhar de soslaio quem virou a chave de vez ou quem ainda nem se deu conta que àquel…

Prato feito

Não é que eu tenha deixado de comer todos esses dias, mas eu não estou dando conta dos acontecimentos nos últimos tempos. Tanta perplexidade, tanta desesperança que fica difícil escrever abobrinhas. Melhor comê-las quietinha, agradecendo todos os dias por ainda conseguir serví-las à família. Quem de nós não está passando por um momento turbulento? Eu tenho ouvido histórias difíceis todos os dias. Eu mesma tenho tido meus dias de tormento. Sigo buscando equilíbrio e alento no colo da família, porque juntos continuamos sorrindo e rindo de nós mesmos e das mazelas que nos atropelam. 
Tanta gente falando ao mesmo tempo, tanto apontamento de dedos em riste, tantos rótulos que fico até sem jeito de expor meu prato de comida. Já parou pra pensar no tamanho da exposição que é postar o que você come pra um monte de gente que você nem sabe quem é?! Quando penso assim sinto até um constrangimentozinho de todas as coisas que já publiquei e aí dá vontade de nada, de deixar pra lá.
O problema é qu…